Reflexão 2º Domingo da Páscoa 2017
 
Reflexão 2º Domingo da Páscoa 2017

altEstamos na segunda semana da páscoa. Domingo este criado pelo São João Paulo II como o domingo da misericórdia. É marcado pela experiência de Tomé que em um momento de dúvida, pois não se encontrava entre os Apóstolos no domingo anterior – o da Páscoa – e não havia passado pela experiência que os outros passaram. Mas Tomé teve seu encontro pessoal com Jesus e na profundidade dessa experiência foi o primeiro a exclamar “Meu Senhor e meu Deus”, até então não se tinha reconhecido Jesus como “Deus”, a partir desse momento a visão dos apóstolos teve outro alcance.

Neste evangelho fala-se, também, do encontro que Jesus teve com os Apóstolos no domingo de Páscoa á noite onde Jesus lhes dá o Espírito Santo e com Ele o poder de perdoar os pecados – aqui está o nosso sacramento da reconciliação. Observe irmão e irmã, que em nossa Igreja temos sacerdotes pessoas com ministérios para agir “in Persona Christi Capits”, isto é na Pessoa de Cristo Cabeça e assim nossa Igreja é a Igreja das bênçãos e dos sacramentos.

Vemos que no evangelho de João o Espírito Santo é derramado no mesmo domingo de Páscoa ao passo que em Lucas é derramado cinquenta dias depois da Páscoa no dia de Pentecostes. Mas isso não é erro algum. No domingo de Páscoa á noite Jesus dá o Espirito Santo aos Apóstolos e durante quarenta dias – até a Ascenção – vai dando as últimas instruções aos Apóstolos (que só poderiam compreender se estivessem sendo iluminados pelo Espírito). Mas o Nascimento da Igreja é em Pentecostes onde o Espírito Santo é derramado sobre todos.

Assim vemos na leitura de Atos onde a comunidade passa a viver os quatro pontos básicos de qualquer comunidade Cristã: “ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações”. Outro aspecto básico das primeiras comunidades é: “E todos estavam cheios de temorpor causa dos numerosos prodígios e sinaisque os apóstolos realizavam”. São os ‘prodígios e sinais’. Quanta diferença na comunidade quando essas manifestações acontecem. Não pode haver comunidade Cristã sem prodígios e milagres, pois a Palavra é viva e eficaz (Hb 4,12) e realiza o que ela diz. Assim temos que promover em nossas pregações, retiros, missas, grupo de oração... Os prodígios de Deus.

 

Cristo Ressuscitou e com ele nós ressuscitaremos. Todo aquele que crer e for batizado será salvo (Mc 15,16). E “Graças à fé, e pelo poder de Deus,vós fostes guardados para a salvaçãoque deve manifestar-se nos últimos tempos”. Assim é a verdade de nossas vidas – seguir a Cristo na esperança da vida nova que está em nós e que resplandecerá com em Cristo Ressuscitado no fim dos tempos.

 

Aleluia! Cristo Ressuscitou! E nós com Ele por toda eternidade.

Antonio COMDEUS

 


 

Liturgia 2º Domingo da Páscoa 2017

1ª Leitura - At 2,42-47

Todos os que abraçavam a fé viviam unidos e colocavam tudo em comum.

 

Salmo - Sl 117,2-4.13-15.22-24 (R.1)

R. Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom; eterna é a sua misericórdia!

 

2ª Leitura - 1Pd 1,3-9

Pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, ele nos fez nascer de novo para uma esperança viva.

 

Evangelho - Jo 20,19-31

Oito dias depois, Jesus entrou.

 

Share/Save/Bookmark